Tira-Teima Mariano

A Virgem Maria foi Assunta ao Céu em Corpo e Alma?

Padre Francisco Amaral*

Publicação original 05/07/2018

A Igreja proclama a Virgem Maria como Assunta ao céu com o seu Corpo Glorificado. Alguns, porém, insistem em afirmar que “Maria está morta.” O que pensar a respeito?

É um dogma de fé afirmar que Maria foi Assusta ao céu. Nestes artigos desta série, queremos explicar de maneira clara os Dogmas Marianos. Um dogma é uma verdade definitiva de fé, como afirma o Catecismo da Igreja Católica (cf. CEC 88). Os Dogmas Marianos são quatro: Maria Mãe de Deus, Imaculada Conceição, Virgindade Perpétua e Gloriosa Assunção.

O dogma da Assunção de Maria, proclamado pelo Papa Pio XII, foi expresso da seguinte forma: “Finalmente, a Imaculada Virgem, preservada imune de toda mancha da culpa original, terminando o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celeste. E para que mais plenamente estivesse conforme a seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte, foi exaltada pelo Senhor como Rainha do universo”. (CEC 966)

A Assunção da Virgem Maria nos aponta para a Glória Eterna do Céu (cf. ICor 15,51), no qual Cristo é o primeiro a Ressuscitar (cf. 1Cor 15,20). Com sua Morte e Ressurreição, Cristo venceu a morte para que um dia aqueles que morreram com Ele ressuscitem glorificados (cf. Rm 6,8). Essa Ressurreição acontecerá no dia do Juízo Final: até lá, os salvos estão no céu em suas almas, para no Dia do Juízo unirem-se novamente aos seus corpos, glorificados (cf. CEC 1002-1004)

A morte é consequência do pecado (cf. Rm 6,23). Tendo sido a Virgem Maria preservada da mácula do pecado original e tendo passado a vida inteira sem cometer um único pecado (cf. CEC 393), não era conveniente que Ela permanecesse até o dia do juízo submetida ao poder da morte. Por isso, os dois grandes doutores marianos da Igreja, São Luis Maria Montfort e Santo Afonso Maria de Ligório , apoia a afirmação que a Virgem Maria está Ressuscitada e Glorificada, em Corpo e Alma (cf. TVD 3; “Glórias de Maria”, parte II, tratado I, cap. VII e VII).

Embora tenha passado pela morte para se unir em tudo ao Seu Filho, foi uma morte tão doce e tranquila que a tradição da Igreja chama de “dormição”. E assim, a Virgem Maria pode se manifestar Viva em Seu Corpo Glorioso, em suas Aparições, e tem uma presença invisível e misteriosa, estando próxima a todos os Sacrários e Altares, adorando dia e noite o Seu Filho na Hóstia Consagrada. 

De fato, Maria não está morta!

*Padre Francisco Amaral é sacerdote da Arquidiocese de Cuiabá.

Siga no face / insta / youtube: padrefranciscoamaral