Virgem Maria

Maria como obra perfeita

A Igreja chama Maria de Alma Mater. Ela é a alma que nutre todas as outras almas. É dela que sai o Pão vivo que desceu do céu. É dela que brota a palavra viva que alimenta de forma perene nossa alma. Sabemos que ela não é uma deusa. Maria foi criada. Deus não é criado. Ele sempre existiu. Dentre outros motivos, sabemos que ela não é uma deusa. Mas em sua humildade, nunca fez questão de ter vantagem por causa disso. Sempre foi a mulher escondida de pentecostes.

Ela tem um relacionamento trino com Deus e não se orgulha disso. Ela é Filha de Deus Pai, mãe de Deus filho e Esposa do Espírito Santo. Por isso, tem méritos em abundância. Mas como Alma Humilde, dispões seus méritos para as almas que mais precisam, como uma mãe entrega seus pertences aos seus filhos, simplesmente por amor.

Maria é a fonte selada onde só o Espírito Santo tem entrada. Seu seio, seu interior, é o lugar mais perfeito, onde o Criador habitou em toda sua Divindade e Humanidade, sem perder a sua santíssima divindade. Jesus é Deus em Sua Plenitude. E sendo Deus, e também sendo homem, por causa de Maria, une nele a divindade e a humanidade, fazendo a ligação que um dia foi destruída pelo pecado, Homem e Deus agora são um. Ela é o lugar secreto onde Deus se fez carne e onde nenhuma criatura pode habitar, de forma física, mas que todos os batizados têm acesso pelo Espírito Santo. Quando somos batizados no Espírito, somos ao mesmo tempo gerados dentro do ventre de Maria, no corpo de Cristo. De forma misteriosa, estamos unidos a esse Deus, pelo Espírito, e pela carne santificada de Cristo Jesus.

Maria é o primeiro sacrário onde o Santíssimo Corpo e o Santíssimo Sangue de Jesus Cristo é guardado para se revelar aos homens. Quando Jesus sai dos sacrários no mundo inteiro para vir ao encontro do homens, seja em adoração ou para consumo, vivemos o dia do nascimento dele em Belém. Ela é a nova Belém. A casa do Pão.

Por mais pura que seja qualquer criatura, não tem autoridade para entrar no ventre de Maria se não for pelo Espírito de Deus. O lugar secreto onde o Verbo se fez Carne é acessível, mas por Jesus. Então, de alguma forma, só poderemos dizer que Cristo veio até nós por meio de Maria, sua mãe santíssima.

Maria nunca foi e nunca será uma mulher qualquer. Ela foi desenhada, sonhada, projetada, para ser a obra mater, a perfeita obra das mãos do Criador, para gestar o filho de Deus. Deus nasce em Belém, numa manjedoura, mas ao mesmo tempo nasce em berço esplendoroso, o ventre de Maria.

Maria é o novo paraíso na terra, de onde sai Deus Filho. Um lugar cheio de coisas inimagináveis. Um paraíso com fontes eternas de santidade. O Filho único de Deus é a coisa mais preciosa do universo. “Por que dEle, por Ele e para Ele são todas as coisas…” O mais profundo em Maria é sua humildade. Sabendo de tudo, e ouvindo do anjo a saudação eterna: “Ave Maria, Gratia Plena.” Ela ainda diz: “O Senhor fez em mim maravilhas, Grande é o Seu nome.” (Lc 1, 49).

Os Grandes Santos da Igreja dizem coisas maravilhosas sobre a mãe do meu Senhor. Todos eles são unânimes em dizer sobre a humildade da pobre serva do Senhor. Como diz são Luís Maria Grignon de Montfort:

“E depois disto exclamam que a sublimidade dos Seus méritos, que chegam até o trono da Divindade, não se pode perceber; que a extensão da sua caridade, maior que a Terra, não se pode medir; que a grandeza do seu poder, que até sobre o Deus se estende, não se pode compreender e, finalmente, que a profundeza da sua humildade e de todas as suas virtudes e graças é um abismo insondável.”

Em todos os lugares e em todas as eras, toda a criação proclama Maria, totalidade da Graça. Os anjos em suas 9 hierarquias, os homens e mulheres de todas as raças e inclusive os demônios, são obrigados a declarar a santidade de Maria. São inúmeros os casos de exorcismos onde o próprio demônio admite a pureza e a santidade de Maria. Aliás, eles a odeiam. Ela é o símbolo de sua perdição. Eles não admitem que Deus habite na sua criação de forma tão perfeita. Que gere no ventre de uma mulher, um ser dito inferior aos anjos, seu Filho único. Para os demônios, é muita humilhação se submeter a um ser inferior a eles. Aqueles que se rebaixaram a isso, permaneceram fiéis a Deus. Os que não aceitaram que Deus habitou em um ventre de uma mulher, caíram com seu líder, Lúcifer.

Ela é amada pela Igreja de Seu Filho. Em todos os altares do mundo inteiro existe uma homenagem em sua honra. Todas as maiores catedrais da terra têm dentro dela uma parte reservada à perfeita criatura. Quantas canções, quantos lugares santos, Maria já consagrou! Quantas comunidade e congregações no mundo inteiro são cada vez mais numerosas em sua honra? Quantas graças e milagres alcançados por sua poderosa intercessão? Eu mesmo sou um desses milagres. E quantos mais outros irão acontecer pelas suas mãos?

Maria é louvada por todos. Pela criação inteira! Mas isso ainda não se compara ao louvor que ela recebe de Deus Pai, pela sua obediência. Aqui preciso parar e explicar o que é louvor. Louvor é um prêmio. Um elogio gratuito. Uma forma de retribuir um grande favor. Ou ainda uma forma de agradecer por tamanha obediência. Jesus em muitas parábolas fala da gratidão do “Dono da Vinha”. Ele diz que nosso Deus é um Senhor que gosta de retribuir com prêmios aqueles que o obedecem. Ele fala que esse Senhor é Justo e premia conforme sua própria justiça. Imagina comigo que louvores, que tipos de prêmios eternos Deus Pai reservou, como “Senhor da vinha” para esta nobre mulher que foi a primeira a receber o DOM de Deus? Quais serão os louvores secretos que Deus Pai entrega a ela por seu sim eterno? O Salmo 44, 14 diz: “Toda a glória da Filha do Rei lhe vem do interior”. Se juntarmos todos os louvores da criação a ela em algum lugar, todas as músicas compostas, homenagens, se juntarmos todas as honras dadas pelos anjos a Maria, seriam um átomo perto das homenagens que Deus celebra com ela por causa do seu sim. Se queremos entender a mãe, precisamos entender a Glória do Seu Filho. Pelo fruto se conhece a árvore. Que fruto perfeito é Jesus? E que árvore perfeita é Maria?

Maria ainda não é conhecida o suficiente. Precisamos cada vez mais falar dela para que o Reino conheça sua Rainha. Eu era protestante e tinha problemas com isso pois achava que falando dela, eu tiraria o foco de Jesus. Mas aprendi que quando falo bem da mãe de alguém, falo bem do seu Filho. Pois todo filho ama que fale bem de sua mãe. Se eu sou assim… Imagina Jesus? Mas pense comigo: Como falar bem de alguém que não conheço? Impossível… Precisamos conhecer melhor a mãe de Deus.